segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

A Igreja que Cristo está Edificando


“Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. (MATEUS 16:18).

Somos produto de uma geração que está vivendo um processo de grande efervescência religiosa. No Cristianismo, por exemplo, nunca se viu tamanha multiplicidade denominacional e também a diversidade de igrejas e grupos que dizem professar sua fé no Cristo ressuscitado. Torna-se cada vez mais difícil a um pesquisador da religião definir a origem histórica de boa parte desses grupos.

A citação bíblica aponta para uma igreja que estaria sendo edificada por Jesus. “Edificarei a minha igreja”. Os que se denominam cristãos dizem fazer parte de uma igreja que está construída sobre a Rocha, cujo fundamento é Cristo. Que são membros da única igreja, cuja salvação eterna pode ser garantida aos fiéis convertidos a Cristo. Mas diante da grande diversidade de pensamentos gerados nesse ambiente chamado cristão, coloco aqui pelo menos duas questões levantadas por J. C. RYLE em torno da igreja que Cristo está edificando: Qual seria a única igreja santa e verdadeira? Qual é o único aprisco sagrado e verdadeiro? Estas e outras questões vêm instigando a mente de muitos estudiosos e até cristãos sinceros que têm tentado encontrar no verdadeiro cristianismo o alento e respostas para suas questões existenciais. Se quisermos, de fato, identificar a igreja que Cristo está edificando, pelo menos quatro perguntas nos serão pertinentes.

Que igreja é está? Como é esta igreja? Quais são suas marcas? Onde pode ser encontrada?

A Bíblia nos fornece uma das mais preciosas declarações de Jesus a respeito desta igreja. Sua declaração foi simples e direta: “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. Ao contrário do antigo Judaísmo com seus ritos e tradições, Jesus fala sobre uma nova igreja com características próprias, forte, ativa e vitoriosa.

Jesus dá início à construção da sua igreja, colocando-se como a principal pedra de esquina, o fundamento de toda a construção. Colocaremos nossos esforços em conhecer esta igreja cujo proprietário e Senhor é o próprio Cristo. De acordo com J. C. RYLE veremos cinco características peculiares encontradas no texto citado, as quais nos darão uma compreensão mais firme e segura a respeito desta igreja tão especial.

1. Uma construção: “Minha igreja”
2. Um construtor: Jesus disse: “Edificarei minha igreja”
3. Um fundamento: “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja”
4. Perigos implícitos: “As portas do inferno”
5. Uma declaração de segurança: “As portas do inferno não prevalecerão contra ela”

UMA CONSTRUÇÃO
O texto já começa falando sobre uma construção de natureza particular: “Minha Igreja”. Mas que igreja? Jesus não está falando de um templo feito por mãos. Não se trata de uma construção material. Não é uma igreja visível em particular na terra. Não é a igreja de Roma, certamente. Não é também a igreja localizada na Rua do Vasco, ou na Rua do Atlético, ou na cidade do Vaticano, ou em qualquer outro lugar. A igreja do nosso contexto é a menos notada aos olhos do homem do que qualquer outra igreja visível, mas é a igreja mais importante aos olhos de Deus.
A igreja que Jesus está edificando é formada por todos os crentes verdadeiros no Senhor Jesus Cristo, por todos os que realmente são santos e convertidos, todos aqueles que já foram feitos novas criaturas pela fé em Cristo Jesus, que já nasceram de novo. Este grupo constitui a noiva do cordeiro santo. Esta igreja não tem um endereço nem uma placa. Ela é constituída de pessoas lavadas pelo sangue do cordeiro.
Os membros desta igreja adoram com um só coração e são guiados por um só Espírito. Nenhuma igreja visível na terra tem o direito de dizer: “Nós somos a única igreja verdadeira”. Nenhuma igreja na terra tem o direito de dizer da outra que ela não tem doutrina, que é uma igreja fria ou sem amor. O templo de Salomão, em toda a sua glória, é inferior e desprezível quando comparado à igreja que está edificada sobre a Rocha. Fora desta igreja que está sendo edificada sobre a Rocha não há salvação. A igreja que abrange todo aquele que se arrepende e crê no evangelho de Jesus Cristo é a igreja à qual você deve pertencer. Você precisa se converter e se tornar membro da única igreja verdadeira, e esta igreja pertence a Jesus.

UM CONSTRUTOR
O texto do Evangelho de Mateus em seu capítulo dezesseis não se refere tão somente a uma construção, mas também a um construtor. O Senhor Jesus declarou: “Edificarei a Minha Igreja”. Segundo a declaração de Jesus, esse trabalho da edificação é sua tarefa especial. Nessa tarefa especial os membros dessa construção gozam de alguns privilégios. Há uma promessa de paz e segurança aos seus fiéis: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”. (JOÃO 14:27).
O principal fundamento teológico que encontramos nesta igreja que Cristo está edificando é o princípio da garantia plena da salvação eterna aos que dela se tornam seus integrantes. “Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão”. (JOÃO 10:28). Esta é uma das declarações mais contundentes e de maior segurança eterna feita pelo Senhor Jesus a respeito dos membros de Sua igreja. A grande verdade aqui é que o fundamento da salvação eterna não está na pessoa que a possui e sim em quem a deu, Jesus Cristo. Ele disse: “Eu lhes dou a vida eterna, jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão”. Fazer parte da igreja cujo construtor é Cristo constitui o maior privilégio e a maior riqueza que o ser humano pode ter na terra.
Outro privilégio de pertencer à igreja que Jesus está edificando é o de se tornar filho de Deus. O construtor da Igreja tem como finalidade congregar em Sua igreja apenas aqueles que, de fato, forem filhos de Deus. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome”. (JOÃO 1:12). Algumas pessoas até irão querer fazer parte desta igreja por preservarem algum tipo de herança religiosa que por tradição receberam de seus ancestrais. Isso simplesmente não será possível. A igreja que está sendo construída pertence ao Senhor Jesus. Ele já decidiu quais serão os seus integrantes. Você poderá até fazer parte de alguma igreja cristã aqui na terra, mas isso não te assegurará em nada o fato de também pertencer à Igreja Invisível, a igreja que Jesus está edificando. É necessário tornar-se Filho de Deus pela fé em Jesus Cristo, o Senhor da Igreja.
O construtor da Igreja também tem um plano de desenvolvimento espiritual para os seus membros.

“edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito”. (EFÉSIOS 2:20-22).

O poderoso agente utilizado pelo Senhor para o desenvolvimento dos membros de sua Igreja é o Espírito Santo. Ele desempenha um papel de extrema importância nesta obra magnífica. É ele quem aplica a Verdade de Cristo ao Coração do Crente. É ele quem renova a fé, a esperança, o amor, e é também quem conduz o homem ao arrependimento e o coloca aos pés da Cruz de Cristo. Esta obra regeneradora é que produzirá o ajustamento dos membros, a fim de que o edifício seja apto para a habitação de Deus em Espírito.

Alguns outros elementos também são utilizados pelo construtor na edificação da verdadeira igreja. Todos juntos são instrumentos subordinados a ele, através dos quais o seu trabalho se desenvolve continuamente.
“O ministério do evangelho, a circulação das Escrituras, a repreensão amigável, a palavra dita a seu tempo, a influência atrativa das aflições – tudo, tudo são meios e instrumentos através dos quais o seu trabalho tem continuidade, e o Espírito leva vida às almas”. (RYLE, 2010)

Os pastores podem pregar, escritores podem produzir livros de extrema relevância, mas somente o Senhor é quem pode edificar. Cada pedra é colocada em seu lugar e no tempo certo. É bom lembrarmos que o tempo de Deus é diferente do nosso. Às vezes Ele trabalha mais rápido, ora mais lentamente, utilizando pedras de diversas formas e tamanhos. Ele trabalha num plano perfeito, muito bem arquitetado. Grande é a sua misericórdia nesta obra da construção de sua igreja. Ele escolhe normalmente as pedras mais impróprias e brutas e às encaixa à obra mais excelente. Ele não despreza nem rejeita nenhuma delas. Se a igreja fosse nossa, jamais escolheríamos Fariseus e Publicanos para a nossa construção. Mas foram justamente eles que Jesus escolheu e deu estimado valor, como é o caso de Paulo que se tornou uma das principais colunas da Igreja. Ele foi muito importante cooperador, mas tinha consciência de quem era o construtor da igreja. O Apóstolo Paulo plantou, Apolo regou, mas Deus é que deu o crescimento. Assim ele escreve em sua primeira carta aos Corintios:
“Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus. De modo que nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento”. (I CORINTIOS 3:6-7).
“edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito”. (EFÉSIOS 2:20-22).
O Senhor Jesus preservará os seus eleitos até o fim, conforme escreveu o apóstolo aos Efésios: “para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito”. (Efésios 5:27).
Devemos ser profundamente gratos pelo fato da obra desta construção estar nas mãos daquele que pode todas as coisas.

UM FUNDAMENTO
Jesus disse: “sobre esta pedra edificarei a minha igreja”. A primeira coisa a considerarmos aqui é que Jesus está se referindo ao fundamento da sua igreja. Seria o apóstolo Pedro? Certamente que não. Se o fundamento fosse Pedro a declaração seria: sobre ti edificarei a minha igreja. De forma tão clara quanto disse: “Dar-te-ei as chaves”. Segundo J. C. RYLE, Jesus não estava falando do apóstolo Pedro, mas sim, da confissão verdadeira que o apóstolo havia acabado de fazer. Não era Pedro o apostolo errante e instável, e sim, a poderosa verdade que o Pai havia revelado a Pedro. Era a verdade que o próprio Cristo era a Rocha. Esta era a Rocha, este era o fundamento, sobre o qual a igreja de Deus deveria ser edificada.

O fundamento da igreja verdadeira foi lançado com um custo elevado. Foi necessário que o Filho de Deus tomasse a nossa natureza sobre si e vivesse com essa natureza; sofresse e morresse, não pelos próprios pecados, mas pelos nossos. Foi necessário que Ele fosse ao sepulcro com essa natureza e ressuscitasse. Foi necessário que Ele subisse ao céu com essa Natureza, porém sem os nossos pecados, e sentasse à destra de Deus, obtendo eterna redenção para todo o seu povo. Nenhum outro fundamento poderia ir ao encontro das necessidades de pecadores desamparados, fracos, corruptos, culpados e perdidos.
Uma vez que se obtenha este fundamento, ele é bem resistente. Ele pode suportar o peso dos pecados de todo o mundo. O ofício mediador de Cristo é um remédio suficiente para todos os tipos de pecados de todo o mundo.

PERIGOS IMPLÍCITOS
Jesus nos fala sobre um enfrentamento que estará diante da sua igreja durante todo o tempo de sua edificação. Parece haver uma contínua relação de oposição à missão da igreja aqui na terra. Sobre esse enfrentamento diário Jesus declara: “As portas do inferno não prevalecerão contra ela”. Isso significa que os membros da igreja que Jesus está edificando têm a promessa de serem vitoriosos em todos estes enfrentamentos. J. C. RYLE trata a expressão “Portas do inferno” como “Perigos Implícitos”. Mas onde estariam as portas do inferno? (Este lugar que mete medo foi descoberto em 1971 no Turcomenistão, situado próxima a pequena cidade de Darvaz na Ásia Central, uma cratera de 70 metros de diâmetro por 20 metros de profundidade, cuja chama está acesa há 38 anos. veja vídeo: A porta do Inferno (http://www.youtube.com/watch?v=9LBcTHYICYI).

Esta não é, no entanto, a porta do inferno, mas dá para perceber que se trata de um lugar de intenso perigo. Entendemos aqui que há perigos em todo o caminho por onde a igreja for passar. Se os perigos são implícitos, significa que não são vistos facilmente, podem estar camuflados, como armadilhas preparadas para capturarem os displicentes ou desavisados. A verdadeira igreja de Jesus vive em constante batalha contra os poderes do inferno. Isso vem acontecendo desde quando Deus constituiu para si um povo que se tornasse seu particular tesouro. Para a verdadeira igreja de Jesus, seus conflitos são perpétuos, sua batalha nunca termina.

O combate contra os poderes do inferno tem sido a experiência de todo membro da igreja de Cristo individualmente. Como disse J. C. RYLE: “O que é a vida de todos os santos, senão um memorial de batalhas?” Podemos tomar como exemplo as vidas de Paulo, Pedro, Tiago, Lutero, Calvino, os quais foram soldados engajados em uma batalha constante. Quantas coisas ruins também têm saído das portas do inferno em nossos dias? Às vezes alguns cristãos são atormentados por calúnias, mentiras, difamações, ódios, inimizades bebedices, glutonaria, maledicências perseguições... De uma maneira ou de outra o diabo tem guerreado contra a igreja continuamente. Não podemos nos esquecer que temos um inimigo mortal e que sua missão é destruir a igreja que Jesus está edificando. É importante calcularmos o preço e compreendermos totalmente as conseqüências de seguir a Cristo. Por isso devemos tomar alguns cuidados a fim de prosseguirmos vitoriosos conforme já declarado pelo Senhor Jesus.

Não se surpreenda diante do inimigo que vem das portas do inferno
Nós estamos neste mundo, mas não pertencemos mais a ele. Não devemos esperar aceitação ou aplausos deste mundo. Jesus advertiu os membros de sua igreja sobre esse fato: “Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia”. (JOÃO 15:19). Segundo o pensamento de J. C. RYLE, Enquanto o mundo continuar sendo mundo, e o diabo continuar sendo diabo, haverá um combate, e os crentes em Cristo deverão ser soldados. O mundo odiou a Cristo e odiará os cristãos verdadeiros enquanto a terra existir.Esteja preparado para enfrentar o inimigo que vem das portas do inferno.

O apóstolo Paulo nos fala sobre a armadura de Deus que está disponível para que todo guerreiro do exército de Jesus se equipe para a batalha. “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo”; (EFÉSIOS 6:11). A armadura é um equipamento de guerra que produz proteção e firmeza ao soldado. A armadura de Deus é um equipamento necessário ao crente e deverá ser usada continuamente, uma vez que estamos numa batalha espiritual onde não há interrupções nem descanso. As ciladas estão em todo o lugar e os dardos inflamados não param de ser lançados.

Para enfrentarmos o inimigo que anda em nosso derredor, precisamos estar bem preparados. Esta é a recomendação do apóstolo Paulo aos Efésios:
“Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis”. (Efésios 6:13).
Seja paciente quando for provado pelo inimigo que vem das portas do inferno
Uma atitude difícil de ser tomada quando estamos submetidos a algum tipo de provação é a de suportar com paciência até que passe a tempestade. Lembremos do servo Jó, o maior exemplo de paciência e perseverança encontrado na Bíblia. Muitas batalhas que enfrentamos em nosso dia-a-dia constituem preciosas oportunidades para desenvolvermos nosso relacionamento com Deus e aprendermos a viver em sua absoluta dependência. Na vida cristã, tudo o que acontece deve ser aceito como oportunidade de crescimento. Assim escreveu o apóstolo Paulo aos Romanos:
“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto”. (Romanos 8:28).
Não seja subjugado pelo inimigo que vem das portas do inferno
Subjugar é submeter pela força das armas; dominar e reprimir. É exatamente isso que o inimigo da igreja de Jesus quer fazer com os seus membros. Uma pessoa subjugada pelo inimigo é obrigada a sujeitar-se a todas as suas vontades. O combate do verdadeiro cristão é um sinal da Graça, assim como a paz interior que ele desfruta. Se você é, de fato, um cristão que faz parte da igreja que Jesus está edificando, cuide para que não caia nas mãos do inimigo e seja subjugado por ele. Não permita que ele faça de você o seu escravo. Observe se não há em sua vida alguma área de escravidão, algum pecado que esteja te dominando e você não tem conseguido se libertar. Se isso estiver acontecendo, você está subjugado e precisa de libertação. Os membros da igreja que cristo está edificando estão equipados para vencer o inimigo e também suas próprias fraquezas carnais. O apóstolo Paulo escrevendo aos Coríntios encoraja os crentes a lutarem e vencerem o inimigo:
“Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas”. (II CORINTIOS 10:4)

UMA DECLARAÇÃO DE SEGURANÇA
Chegamos ao quinto ponto de compreensão do texto que tomamos como base para conhecermos a natureza da igreja que Cristo está edificando. Nossas atenções a partir de agora estarão voltadas para a declaração de Jesus: “As portas do inferno não prevalecerão”. A promessa desse texto é uma verdade absoluta para todo cristão verdadeiro, para todo aquele que se tornou membro da igreja que Jesus está edificando, a igreja invisível.

Ao longo de sua história, a igreja de Jesus já passou por vales muito sombrios. Alguns do povo de Deus caíram de modo lamentável, como Davi e Pedro, por exemplo. Muitos foram provados de forma cruel, mas por fim se tornaram mais que vencedores. A segurança final de cada pedra viva daquela igreja edificada sobre a rocha; mesmo que sejam pedras frágeis e por mais insignificantes e diminutas que possam parecer, sua segurança final está garantida pela declaração do Senhor da Igreja, Jesus.
Muitas igrejas cujos nomes são mencionados no Novo Testamento desapareceram. Podemos citar como exemplo as igrejas de Éfeso, Antioquia, Filipos, Tessalônica e muitas outras. Elas foram igrejas importantes na construção da história do Cristianismo, mas não existem mais. No entanto, durante todo esse tempo, a igreja verdadeira, aquela que Cristo está edificando permanece viva. Ela é inatingível e as portas do inferno não podem prevalecer contra ela. Fogo, espada, prisões, punições nunca puderam e nem poderão destruir sua vitalidade.

A igreja verdadeira é o corpo de Cristo, é a noiva do cordeiro, é o rebanho de Cristo. Nem sequer um cordeiro doente do seu rebanho perecerá. “para se cumprir a palavra que dissera: Não perdi nenhum dos que me deste”. (JOÃO 18:9). A verdadeira igreja é o trigo da terra. Ela pode ser peneirada, escolhida, malhada e sacudida, contudo, nenhum grão se perderá. A palha e o joio serão queimados. O trigo, porém, será ajuntado no celeiro.

A verdadeira igreja é o exército de Cristo. No final da batalha a relação dos nomes de suas tropas será a mesma que havia no início. Jesus declarou: “Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão”. (JOÃO 10:28). O diabo pode lançar alguns membros da igreja de Cristo na prisão, torturá-los e até matá-los. Mas não poderá jamais tocar na alma de nenhum deles. Satanás com todo o seu poder não poderá jamais expulsar um único crente sequer da igreja verdadeira de Cristo. Aquele a quem você entregou a sua alma tem todo o poder no céu e na terra e Ele te guardará. Maior é Aquele que é por você, do que aqueles que são contra você.

Considerações finais.

Segundo ao pensamento de J. C. RYLE vimos cinco pontos de compreensão no texto objeto deste estudo sobre a igreja que Cristo está edificando:

1. Uma construção: “Minha Igreja”
2. Um construtor: Jesus diz: “Edificarei a minha igreja”
3. Um fundamento: “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja
4. Perigos implícitos: “As portas do inferno”
5. Uma declaração de segurança: “As portas do inferno não prevalecerão contra ela”.

Discorremos sobre cada um destes pontos e agora algumas perguntas precisam ser feitas.

1. Você é membro da igreja verdadeira de Cristo?
2. Em relação à igreja que está sendo edificada sobre a rocha, você é um membro dessa igreja? Você está unido ao grande fundamento? Você está sobre a rocha?
3. Você tem o Espírito Santo em sua vida? O Espírito Santo testifica com o seu espírito que você é um com Cristo, e que Cristo é um com você?
Se você não é convertido a Cristo, você ainda não pertence à “igreja que está sobre a rocha”. Se você não puder responder satisfatoriamente a estas perguntas, cuide para que sua alma não naufrague por toda eternidade. Preste atenção para que no final de tudo o diabo não reivindique que você é propriedade dele, e você seja lançado fora para sempre. Tome cuidado para não ir para o inferno, mesmo estando rodeado de Bíblias, debaixo da plena luz do evangelho de Cristo. Tome cuidado para que, no final, você não seja achado à mão esquerda de Cristo, por nunca ter se unido à igreja verdadeira de Cristo.

Aos que ainda não passaram pela experiência do Novo Nascimento e não se entregaram a Cristo totalmente e os seus nomes não estão escritos no Livro da Vida, a estes, Jesus tem um convite especial: Ele diz “Vinde a mim”. A resposta a este convite precisa ser sem demora. Considere a letra desse hino:

Tal qual estou, eis-me-aqui
Pois o teu sangue remidor
Verteste pelo pecador
Ó Salvador, me achego a ti.

Esta é a maneira de vir a Cristo. Jesus te receberá do jeito que você estiver. Sua Graça será suficiente para perdoar todos os seus pecados e fazer de você uma pessoa digna do seu maravilhoso amor. Jesus disse: “Aquele que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora”.
Finalmente, uma exortação ao crente que, pela misericórdia e Graça do Senhor, já faz parte da igreja verdadeira, a noiva do cordeiro que foi comprada com o precioso sangue da cruz, que é membro da igreja que Cristo está edificando.

a. Empenhe-se para ter uma vida santa
b. Ande de modo digno da igreja à qual você pertence
c. Deixe que a sua luz brilhe diante dos homens, a fim de que o mundo seja beneficiado por sua conduta.
d. Seja uma carta de Cristo, conhecida e lida por todos os homens
e. Empenhe-se para viver uma vida de coragem. Confesse Cristo diante dos homens em todos os lugares.
f. Regozije-se por pertencer à igreja que está sobre a rocha.

Retomemos as palavras do Senhor Jesus ao referir-se à sua igreja: “e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. (MATEUS 16:18). Bendito seja o Senhor Jesus Cristo, o qual nos tornou dignos de pertencermos a esta igreja vitoriosa, igreja comprada com o seu próprio sangue. Aos que já são de Cristo, vivam com dignidade, e como verdadeiros cidadãos do Céu aqui na terra, honrando Aquele que é o construtor da Igreja verdadeira, da qual muitos já fazem parte e nela servem ao Senhor com alegria e singeleza de coração.

Um comentário:

eldemir bezerra disse...

Pedro tu és pedra e sobre sta a edificarei a miha igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. igreja firme e verdadeira que desde o inicio se chama Católica e apostólica, e não esta enchurrada de prostitutas do fim dos tempos.