quarta-feira, 12 de março de 2008

LIÇÕES ENSINADAS POR CRISTO NA PURIFICAÇÃO DO TEMPLO

TEMA: A PURIFICAÇÃO NO TEMPLO
TÍTULO: LIÇÕES ENSINADAS POR CRISTO NA PURIFICAÇÃO DO TEMPLO.
T.CHAVE: JOÃO 2.13-22
PROPÓSITOS:
1. Esclarecer o significado da passagem;
2. Mostrar o que realmente estava sendo condenado por Cristo;
3. Mostrar as implicações relevantes para o nosso contexto atual.
PROPOSIÇÃO: O TEMPLO É UM LOCAL A ONDE DEUS E SOMENTE ELE TEM A TOTAL PRIMAZIA.
INTRODUÇÃO: Tenho no decorrer do meu ministério verificado que as passagem de João 2.13-22 e Lucas 19. 45-46, tem sido interpretada de maneira equivocada por algumas pessoas. Muitos tem se utilizado das mesmas para defender a proibição de qualquer coisa na igreja, mesmo que tais vendas possam trazer ou não benefício para a vida dos irmãos da igreja. Em parte vemos que essas pessoas tem uma atitude de amor e zelo pela obra de Deus, mas em contra partida exercem esse amor sem um conhecimento adequado da Bíblia, simplesmente a sua posição estar baseada em uma análise superficial e destorcida das Escrituras. Pois em nenhuma das passagens acima mencionadas, encontramos apoio para defendermos a não venda de artigos ou produtos que venha a colaborar com a edificação e crescimento espiritual do povo de Deus. Portanto cabe a mim tentar esclarecer os textos acima mencionados, a luz de uma interpretação bíblica dentro dos princípios da hermenêutica(ciência que interpreta a Bíblia) , com o fim de que essas pessoas possam Ter uma interpretação sadia e consistente, acerca das passagens acima, e que possam extrair das mesmas os verdadeiros ensinamentos contidos nas mesmas.
SENTENÇA DE TRANSIÇÃO: Para termos uma interpretação correta das Escrituras vamos usar o princípio básico da hermenêutica, em que se diz que a Bíblia deve ser entendida a luz do seu contexto histórico.
I – CONTEXTO HISTÓRICO:
1. A VENDA DE ANIMAIS E A PRESENÇA DOS CAMBISTAS: Era natural na época de Cristo a venda de animais para o sacrifício, devido os pererigrinos que não podiam trazer seus animais por morarem distante de Jerusalém. A lei do Senhor autorizava que essas pessoas levassem o seu dinheiro e ao chegar no templo comprasse o animal correspondente ao sacrifício. Também era regular Ter no templo os cambistas, que tinham a função de fazer a troca das moedas apropriadas para o pagamento do imposto do templo. Esses cambistas trocavam as moedas gregas e romanas pelos velhos siclos tírios ou hebreus, que eram de peso padronizado e sem defeito, como uma oferta a Deus. Essa troca era de acordo com avaliação feita pelo sacerdote, segundo o siclo do santuário(Levítico 27.1-3,25). Devido esses fatores o sacerdote tinha como responsabilidade providenciar um local a onde as pessoas pudessem fazer a compra de animais e a troca das moedas. Tudo isso era feito dentro dos rigores da lei mosaica, sem ferir em nada a honra e a dignidade dos sacerdotes.
2. DOIS EVENTOS DISTINTOS: Parece que houve duas purificações, separadas por três anos uma da outra
2.1. A primeira se deu no início do ministério de Jesus e que estar registrada no Evangelho de João 2.13-22. Nessa feita Jesus expulsou os animais e os cambistas.
2.2. A Segunda se deu na última semana de sua vida, precisamente na Segunda feira. Essa foi registrada nos Evangelhos de (Mateus 21.12-16; Marcos 11.15-18 e Lucas 19,45-46) dessa vez Jesus expulsou os que ali vendiam e comprovam
SENTENÇA DE TRANSIÇÃO: Já vimos o contexto histórico da época, agora veremos o que de fato Jesus estava reprovando, uma vez que a venda era uns dos requisitos da lei.
II – O QUE JESUS REALMENTE ESTAVA REPROVANDO?:
1. A VENDA DE ANIMAIS E A TROCA DE MOEDAS EM LUGAR ERRADO:
1.1. A venda e a troca de moedas deveriam ser feitas fora do templo e não dentro, o local a onde estava sendo realizados a venda de animais e a troca das moedas, era no local dedicado, separado, consagrado aos sacrifícios. Por isso é que Jesus disse que eles estavam profanando o templo. Pois estavam usando um local consagrado a ofertas para outros fins, esse foi um dos erros do sacerdote, em não respeitar o local dedicado aos sacrifícios ao Senhor.
1.2. Se a venda de animais e a trocas das moedas tivessem sido realizadas em outro lugar, jamais Jesus teria repreendido o povo, pois tal prática estava dentro da sua legalidade, uma vez que a lei permitia a venda de animais e a troca das moedas. Só que tal coisa só deveria Ter um local apropriado.
II – A VENDA DE COISAS NÃO AUTORIZADA PELA LEI:
1. Estavam sendo vendidos além dos animais, utensílios que satisfaziam tanto o lucro dos vendedores como o gosto do compradores. Veja o que diz Marcos 11.16 “Não permitia que alguém conduzisse qualquer utensílio pelo templo”. O que se pode ver é que havia um abuso por parte do sacerdote, que estava acrescentando algo a mais que não estava sendo autorizado pela lei.
2. Esse foi outro erro grave cometido pelo sacerdote e que Jesus não deixou barato, pois tal atitude era uma prova clara de total abuso de poder, como também de desobediência a lei de Deus.
III – A ATITUDE QUE ESTAVA ATRAZ DAS VENDAS:
1. Os enormes lucros do comércio das barracas instaladas dentro da área do templo, junto ao Pórtico de Salomão, iam enriquecer a família do sumo sacerdote. Jesus ardeu de indignação, diante de tamanho abuso da Casa de Deus. Era o que se esperava do Messias, confira Malaquias 3.1-3.
2. Em vez do sacerdote suprir a necessidade espiritual do povo, com a venda de animais e a troca das moedas para o sacrifício, ele mudou o sentido e o objetivo desse favor em benefício próprio. Essa atitude irritou o Senhor que nunca foi a favor de ser servido, mas de servir o povo.
3. Esse foi o terceiro erro do sacerdote que Cristo não aprovou e nem poderia aprovar, uma vez que o objetivo das vendas estava servindo para enriquecer o sacerdote e desviar o povo do real significado do culto.
SENTENÇA DE TRANSIÇÃO: Agora veremos quais os ensinos que Cristo tem a nos ensinar nos dias atuais.
III – OS ENSINOS DE CRISTO PARA OS NOSSOS DIAS ATUAIS:
1. Jesus ensina que devemos Ter zelo pela Casa de Deus.
1.1. Lembre-se que a casa principal é o seu corpo, pois a Bíblia diz que somos santuário de Deus(2 Coríntios 6.16). Portanto veja como você tem usado o seu corpo, pois o mesmo deve ser usado para honra e glória de Deus.
1.2. Purifique-se daquilo que não agrada a Deus, e que pode lhe afastar da intima comunhão com Ele(1 João 3.1-3; 2 Timóteo 2.20-22; 1 Tessalonicenses 4.1-8);
1.3. O crente precisa se preocupar com a manutenção da casa de Deus, para que a mesma possa ser um lugar agradável e bom para Ter comunhão com Deus. Veja o exemplo de Davi que tenha o maior zelo pela Casa de Deus, em Crônicas 29 ele oferece o melhor que tem para a construção do templo. Os valores em objetos de prata e ouro foram os seguintes: (Três mil talentos de ouro – mais de cem toneladas; Sete mil talentos de Prata – 250 toneladas) Davi se tinha uma preocupação tremenda com a casa de Deus e por isso participava de seus bens com o Senhor, para que o templo tivesse do bom e melhor. A única maneira bíblica de contribuirmos com a casa do Senhor, para que a mesma não falte o sustento, é com os nossos dízimos e ofertas(Ml 3.7)

1.4. É interessante notar que tem irmãos na Igreja que se preocupam somente com as suas necessidades, e não estão nem aí para com a obra de Deus. Isso me faz lembra o povo de deus no antigo testamento, que se preocupava com o seu conforto enquanto a casa de Deus ficava na miséria(Ageu 1.3-6).
2. Você pode estar fazendo a coisa certa da maneira errada.
2.1. O sacerdote estava obedecendo a lei oferecendo aos seus irmãos a oportunidade de sacrificar a Deus, mas o que motivava a eles era a ganância, o lucro exagerado em detrimento da fé de seus irmãos.
2.2. Para Deus o que conta não é o tanto que realizamos, mas a atitude pela qual algo é realizado para Ele.
2.3. Quando o objetivo do que fazemos não é glorificar a Deus, tenha a certeza de que você pode a qualquer motivo ser repreendido por Deus, pois Ele não divide a sua glória com ninguém.
3. Devemos repelir ou expulsar o pecado da Igreja.
3.1. Nunca a Igreja deverá contemplar o pecado como se fosse uma coisa normal, pelo contrário, o mesmo deve ser punido dentro dos rigores legais da Palavra de Deus, pois a mesma diz : “que o salário do pecado é a morte” . Sendo assim o pecado precisa Ter a sua correção.
3.2. A Igreja de Cristo não pode permitir que o pecado fique sem punição, Pois o mesmo foi o grande responsável pela morte do Senhor e salvador Jesus Cristo. Entretanto quero deixar claro que é o pecado e não o pecador que deve ser punido, pois muitas vezes tenho visto que muitos irmãos nossos são barbaramente humilhados, tripudiados em nossas Igrejas. Lembre-se que Deus aborrece o pecado, mas ama o pecador, e qualquer punição que a igreja venha desenvolver deve sempre visar atacar o pecado ou atitude da pessoa que cometeu o erro, e não a pessoa em si.
4. Que a ira é aceita quando estamos zelando ou defendendo a obra de Deus.
4.1. Quando estamos defendendo as Escrituras contra os ataques das seitas, a nossa ira é perfeitamente normal e compreensiva. Jesus se irou por ver que a Casa de seu Pai estava sendo usado para fins errados, e por isso o seu amor pelas coisas de Deus provocou-lhe uma ira santa.
4.2. Não é errado quando você estar irado quando ouve de alguém desmerecer a obra de Cristo ou a Sua Igreja, mas cuidado para que a sua ira fique somente no zelo pela obra de Deus, e não em algo pessoal contra a sua religião ou ao seu orgulho pessoal.
5. As vezes aprendemos lições de Deus através de uma correção.
5.1. Jesus ensinou uma grande lição ao sacerdote e ao povo, por meio de uma chicote. Não tem sido diferente nos dias de hoje, muitos de nós só aprendemos melhor as coisas debaixo se surra, quanto mais melhor.
5.2. A correção é uma das maneiras que deus tem de trazer os seus filhos a realidade(verdade), no momento não é bom, mas depois traz benefícios maravilhosos(Hebreu 12.6-12).
6. A venda de material bíblico na Igreja não é pecado, se feito com o motivo e atitude correta.
6.1. Se a razão principal das vendas for para trazer um crescimento espiritual dos irmãos, essa venda é recomendada.
6.2. Se a motivação for fornecer um material de boa qualidade com o preço justo que não vise lucro excessivo, qualquer produto pode ser vendido normalmente.
6.3. Se o foco principal é ver o nome de deus glorificado através da vida dos irmãos, por meio do material adquirido, não tem nenhum problema a venda desses artigos.
6.4. Se estiver em local e lugar apropriado e que não tome a atenção e o lugar do culto a Deus, tenho a certeza de que o próprio Deus aprova tal venda sem nenhuma restrição.

CONCLUSÃO: Diante de tudo que foi apresentado acima, a suma é: Tudo tem que ser feito para honra e glória de Deus, caso contrário, ou a venda ou qualquer outra coisa que seja feito não terá a aprovação de Deus.

Nenhum comentário: